quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Lágrimas

Lágrimas no avião durante minha primeira vinda ao desconhecido
Lágrimas no travesseiro de saudades do meu travesseiro
Lágrimas na rua, voltando da academia, ao descobrir que engordei, mesmo suando que nem uma porca
Lágrimas ao chegar em casa e perceber que aquela não é minha casa
Lágrimas no banheiro do aeroporto depois de ser dispensada por um modelo que acha que Turquia é na Europa
Lágrimas ao telefone ao dar feliz aniversário pra alguém que está distante
Lágrimas ao recordar momentos felizes passados, que você tem certeza que poderá revivê-los
Lágrimas na varanda, pois o aperto no peito é tão forte e sem explicação que não se consegue controlar a dor
Lágrimas no ombro do seu pai ao reparar que mesmo depois de tantas lágrimas, você tem um porto seguro: sua casa, sua família, seus amigos – que nunca te abandonarão.

4 comentários:

Jan disse...

nunca te abandonarão. porque te amamos.

André Henriques disse...

eu só não repito esse bordão que a Jan disse, pois soa muito corintiano... hahahahahaha...

te amamos mesmo! você faz falta enorme! e o porto seguro fica mais forte com você. ;)

Clau disse...

Deixa que venham, amiga...Elas limpam e aliviam!
=)

beijo

Fernando Furlanetto Galuppo disse...

Ah, quantas lágrimas eu tenho derramado
Só em saber que não posso mais
Reviver o meu passado
Eu vivia cheio de esperança
E de alegria, eu cantava, eu sorria
Mas hoje em dia eu não tenho mais
A alegria dos tempos atrás

Só melancolia os meus olhos trazem
Ai, quanta saudade a lembrança traz
Se houvesse retrocesso na idade
Eu não teria saudade
Da minha mocidade