sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A polêmica do vestido rosa

Tudo começou com uma garota indo à faculdade num vestido rosa curto, de início não haveria nada demais se não fosse um bando de bárbaros tripudiarem da garota, mas isso foi só o início de uma série de notícias escabrosas que vêm pipocando em tudo que é veículo de comunicação.

O impacto foi grande com a reação de uma trupe de primatas universitários diante de uma minissaia, daí veio a sequência de horror: expulsão, Fantástico, readmissão da garota, medida disciplinar versus medida educativa, mega hair, Super Pop, Playboy e por aí vai (e não duvido nada que em breve lerei algo sobre Brasileirinhas).

Se formos pensar direito tudo iniciou errado. Qual o problema da menina ir de vestido pra faculdade? Mas o que ninguém questionou é: qual era a postura da garota pra zombaram tanto dela? Tenho quase certeza de que ela deu grandes brechas para tal reação, apesar de achar o que aconteceu uma coisa digna de Nehandertals.

E a falta de postura da faculdade? Numa universidade onde o objetivo é o lucro, o limite entre medida disciplinar e educativa é nada coeso e preciso. Sei que esta questão é pouco procedente, mas pra mim é imensamente pertinente: e o MEC nesta história? Está tão atribulado com a pataquada das provas do ENEM e do SAEB que nem se pronunciou sobre o assunto.

O pior é que agora somos obrigados a aguentar notas ridículas sobre a menina, mas mais ridículas são notas daqueles que querem tirar proveito da situação. Ler que o diretor da Playboy quer a estudante na capa por ela ser gostosa e polêmica. Desculpem, mas gostosa? Viva o Photoshop! Polêmica? Sou bem mais a fogueteira ou a jornalista do Renan Calheiros!

Eu só sei de uma coisa: estou cansada dessas notícias e de tudo relacionado a esse maldito vestido rosa. Melhor é que sei que em um futuro não muito distante ninguém mais falará sobre essa tal de Geisy, mas pena que as discussões fundamentadas que isso poderia causar, como a questão do ensino universitário, propagação de universidades particulares de baixa qualidade e a falta de qualidade do que é consumido como notícia também se perderá com o tempo.

3 comentários:

.Carol. disse...

Manu, adorei o texto. Parabéns! OK! Ela tem o direto de usar o vestido que quiser, e os colegas dela são um bando de animais que nunca viram uma perna... Mas bem que ela está gostando da exposição na mídia, né? Enfim, isso tudo me cansa... Machismo, Unip, Superpop... Páre o mundo que eu quero descer! :(

Cristina Casagrande disse...

Manu, vc, como eu, sabe que na USP há muito mais estudantes se vestindo BEM pior, vai.
A menina foi hostilizada porque provavelmente provocou a situação.É só ver a postura dela nas entrevistas e em programas tipo Casseta&Planeta.

Ainda assim, o ato é injustificável. Uma porque é desumano, outra porque deu ibope pra ela.

No mais, a cobertura de imprensa foi péssima. Ficou no chove-não-molha e criou uma polêmica num caso pontual e bem mal apurado.

Rodson disse...

Sua clareza e objtividade nos posts me deixam com inveja. Conseguiu falar do caso da Geyse de uma maneira que eu tentei por várias vezes dizer e acabei não conseguindo e,assim, meu blog ficou sem tocar no assunto. Li só agora e resolvi seguir seu blog. Gostaria muito de sua opinião (feminina) no post: "Da Lipo às Pirações" no meu blog: http://www.rodson.blogspot.com Mas não só pra prestigiar meu blog, é que seria muito útil mesmo para balizar o tema que toca na questão da imagem e não do conteúdo.